segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Di Grassi assina com Virgin-Manor e vira quarto brasileiro da F1 em 2010



Lucas Di Grassi preferiu não esperar o que a Renault vai fazer de sua vida para então tomar uma decisão. Há alguns anos preso na GP2, o piloto que vinha batendo à porta da F1 sem que alguém a abrisse finalmente vai estrear na principal categoria do automobilismo. O Grande Prêmio pode confirmar que o brasileiro será o segundo piloto da Virgin em 2010.

A Virgin é a Manor rebatizada e deve anunciar seus planos nesta terça de manhã na Inglaterra, por volta de 7h pelos lados do horário de verão brasileiro. A equipe que estreia na F1 impulsionada pela marca da indústria fonográfica de Richard Branson já havia assegurado um carro para o alemão Timo Glock.
A Manor conhece bem os serviços de Lucas. A parceria chegou, por exemplo, à vitória do GP de Macau da F3 em 2005. Logo que a equipe foi confirmada como uma das novatas do ano que vem, Di Grassi se tornou candidato natural. John Booth, o chefe da equipe, vinha dando as dicas de que o paulista seria o "piloto perfeito".
Outro que aparecia entre os postulantes era Antonio Pizzonia. Que deu a deixa no Twitter, na noite de quinta-feira, do fracasso das negociações com o time. "Hoje fui informado pela equipe Manor que eu não serei o piloto deles na temporada de 2010."
Di Grassi ainda tinha algumas chances, remotas, na Renault. Só que era difícil para Lucas confiar na equipe. Primeiro porque o time sempre esteve para alçá-lo à F1, na época de Nelsinho Piquet, e nunca o fez. E também porque a Renault provavelmente não será mais a Renault, que resolveu em mais uma daquelas reuniões de sua cúpula desistir da categoria por etapas. Então partiu para sua chance mais concreta.

No fim de novembro, dia 29, Di Grassi deixou o Brasil — onde acabara de disputar o Desafio das Estrelas, a prova de kart de Felipe Massa, em Florianópolis — e viajou para a Europa para participar dos testes da F1 em Jerez. Fez escala na Inglaterra, e no dia 30 assinou o contrato com a Virgin/Manor, que vai usar motores Cosworth. Daí foi para a Espanha.
Vai ajudar Lucas o patrocínio da Unilever. A empresa, que completa 80 anos no Brasil e é proprietária de uma gama de marcas alimentícias e de cosméticos, vai estampar em Di Grassi a marca de seu xampu Clear. Aliás, a Unilever já estava com o piloto no Desafio das Estrelas e nas 500 Milhas da Granja Viana.
A chegada de Di Grassi marca a quarta presença de um brasileiro na F1 em 2010. Felipe Massa na Ferrari, Rubens Barrichello na Williams e Bruno Senna na Campos Dallara também estão confirmados na temporada que será a mais inchada da F1 em mais de uma década.

Nenhum comentário: